Posted in Pensamentos on 26/07/2017 by oultimogole

É como escutar The Cure e não pensar em São Paulo.

Anúncios

Posted in Pensamentos on 20/07/2017 by oultimogole

Eles eram de mundos tão distantes que nem desconfiavam da possibilidade de existência um do outro.

T

Posted in Pensamentos on 19/05/2017 by oultimogole

Sinto saudade do tempo em que você não existia.

É Apenas o Fim do Mundo.

Posted in Pensamentos on 12/02/2017 by oultimogole

Assisti “É apenas o Fim do Mundo”, filme de Xavier Dolan, diretor que adoro!
Posso dizer que é o tipo de filme que não termina quando acaba. Diálogos densos, sentimentos misturados, confusos… Todas as esquisitices das relações familiares e humanas. Uma pancada de leve que vai doendo mais com o passar do tempo.
Adorei, mas não sei se foi uma boa escolha para o momento.
Pensei muito no filme de Almodóvar, Julieta. Filmes que conversam e expõem pontos parecidos.
Como havia lido em algum lugar, lembrei: Por que abandonamos as pessoas que amamos?

Posted in Pensamentos on 06/01/2017 by oultimogole

E quando vira o ano:
ilusão.
Tudo revirado, impensado, abandonado!
O beijo, a bicicleta, a saúde, eu.
Quase puxei pelo rabo, à meia noite, o monstro que devia ter ficado.
Ano passado…
Tudo que não funciona, o que não era meu e não devolvi… o que era seu.
O ano acabou, mas a ansiedade do “quase” ainda está aqui, entre o peito e a garganta.
Permanece o mesmo lado em mim.

Posted in Pensamentos on 04/01/2017 by oultimogole

Alguém me disse que sou cheio de manias.
Eu chamo isso de: “Faça você mesmo!”
Também posso chamar de: “Não durmo bem fora da minha cama.”
Mas a melhor definição é: “Assim é o certo”.

A Volta do Ano Novo.

Posted in Prosa on 31/12/2016 by oultimogole

Virei o ano algumas vezes em Copacabana, poucas, mas lembro-me bem dos prédios na orla, todos iluminados, janela a janela.
Acho interessante observar as pessoas, imaginar cada uma das histórias.
Cheguei a ficar de costas para os fogos só pra ver a emoção, a alegria nos rostos.
Isso sim é fascinante! A Humanidade a flor da pele.
Por isso, também, gosto de sentar na primeira fileira do cinema e olhar a reação dos espectadores às partes mais sensíveis do filme.
Não acho que com isso deixe de me emocionar. Fico encantado com a emoção alheia.
Ao contrário de quem tira uma foto pra lembrar anos depois, guardo tudo em movimento dentro da minha memória.
Segmentar o tempo para suportar o tempo.